9 de setembro de 2010

O gosto

O gosto... o gosto é uma coisa muito pessoal, e ouvindo meus CDs da Sapecada da Canção Nativa, lembrei essa música que achei genial quando ouvi em 2008 naquele festival, segue a letra que fala tudo certinho sobre "o gosto".

O Gosto

O gosto é a voz interior Daquilo que nos faz bem
Talvez a única coisa Que é nossa e de mais ninguém
É muito mais que vontade, Mais que aplauso ou abraço,
É o arrepio que transforma A geografia do braço...

O gosto se manifesta Num riso lacrimejado,
Numa saudade que abraça Rememorando o passado
Têm coisas que a gente preza Sem nem saber o motivo
É o gosto nos revelando Seu lado mais instintivo!

A alma faz julgamentos para expressar o seu gosto
E a gente mostra a sentença, n'algum detalhe do rosto

Até os cambinchos da infância, se quedam no esquecimento
E os olhos são testemunhas que o gosto muda no tempo,
Parece que se renova, em vez de ficar maduro
É o jeito que a vida tem de acompanhar o futuro

O gosto pode ser norte quado define a partida
E às vezes serve de alento numa parada perdida
É na verdade uma escolha pra retratar um momento
Juntando os olhos da alma com a boca do pensamento

Letra: José Carlos Batista de Deus e Eduardo Muñoz
Interpréte: Robledo Martins
16ª Sapecada da Canção Nativa
Postar um comentário