9 de julho de 2013

Buenos Aires (junho/2013) - parte 1

Eu ia deixar tudo em uma só postagem, mas é muita coisa, então resolvi dividir por partes. Cada dia em uma postagem.
Hoje vou falar sobre a preparação, a viagem e a chegada em Buenos Aires.

Buenos Aires  Chegada e 1ª noite na cidade

Essa viagem foi muito especial para nós. E a primeira vez de muita coisa!

- Primeira viagem de avião
- Primeira viagem internacional
- Primeira viagem através de agência de viagens
- Primeira hospedagem em um hotel 4 estrelas
e por aí vai...

Decidimos pela viagem meio que em cima da hora. Bem em cima da hora!
No inicio de maio o marido ficou sabendo que tiraria férias durante todo o mês de junho. E resolveu que iríamos viajar. A ideia inicial era uma viagem para o nordeste, mas sinceramente, nós não somos tão fãs de praia, sol e água de coco. Então visitamos algumas agências de viagem, fizemos cotações para viagens para o nordeste, até que surgiu a ideia: Buenos Aires!
Compramos o pacote na CVC, onde fomos muito bem tratados (ao contrário de uma agência concorrente aqui de Lages/SC), e onde a moça, sempre solícita e simpática, me mandou incansáveis e-mails com cotações e mais cotações, para tomarmos nossa decisão.
Fechamos o pacote no início de maio para a viagem que foi de 07 a 11 de junho. Escolhemos um hotel intermediário, nem muito caro, nem dos mais baratinhos, eu procurei na internet a localização, e esse foi o que mais gostei, perto do Centro e do Puerto Madero.
A partir daí correria para organizar tudo.
Li muitos sites e blogs de viagens para ficar por dentro de tudo o que envolve uma viagem internacional, e não marcar bobeira no aeroporto, no avião ou mesmo na cidade.
Também li sobre o que pode e não pode levar na bagagem despachada e na bagagem de mão. Procurei listas de itens pra levar na viagem, como fazer a mala, como organizar a mala e tudo mais. Sem contar a precisão do tempo. Nesse período em que viajamos o clima em Buenos Aires estava igual ao nosso aqui de Lages. Frio, muito frio.
Viajar para os países do Mercosul não exige passaporte nem visto, a carteira de identidade basta. Mas tem que ser a carteira de identidade mesmo, não vale habilitação nem carteiras de entidades de classe, como OAB ou CRC, etc.. O marido teve que fazer uma carteira de identidade nova, pois a dele era de quando ele tinha 9 anos, estava irreconhecível! Sobre isso o pessoal da CVC nos orientou antes mesmo de fechar o pacote. Porque se você não tiver o passaporte ou a identidade em bom estado, e que a foto possa mesmo te identificar, você simplesmente NÃO EMBARCA. Não adianta chorar nem espernear, NÃO EMBARCA mesmo. Na fila de embarque tinha um casal ao nosso lado que não embarcou porque a identidade dele estava com o plástico violado.
Além, dessa providência, para viajar tranquilos, compramos mais uma mala, menor que aquela outra gigante que comprei para ir pra Florianópolis, lembram? Mas aquela foi super útil dessa vez. Como bagagem de mão eu levei minha bolsa, que é beeeeem grande e o marido, uma mochila. Decidimos não levar o notebook, apenas o tablet.
Também tivemos que habilitar o celular, a internet 3G do tablet e o cartão de crédito para uso internacional.
O celular (Tim) e a internet 3G (Claro) foi fácil de habilitar, tudo pelo telefone no canal de atendimento das operadoras. A moça da Tim foi bem bacana e até me ensinou como fazer ligações internacionais e etc.
O cartão de crédito foi mais complicado, pois o cartão que eu tinha não era internacional, então tivemos que pedir um novo, que chegou bem rápido, em 5 dias, e depois voltei ao banco para fazer a senha e habilitar o uso no país que eu visitaria. Mas foi tudo tranquilo. Palmas para o banco Santander. Que, aliás, tem uma agência em cada esquina lá em Buenos Aires.
Também verificamos sobre o câmbio, e para não chegar à cidade sem nada de pesos, fizemos o cambio aqui no Brasil mesmo. A CVC nos indicou a uma agência chamada Cotação, que entrou em contato conosco para fazer o câmbio. Fizemos um cadastro por e-mail e reservamos o valor que foi pago e sacado na agência da Cotação do aeroporto de Florianópolis, um dia antes da viagem. 

3 dias antes da viagem a moça da CVC nos enviou por e-mail os vouchers de tudo o que contratamos e a confirmação do voo com marcação dos lugares. Nosso pacote incluía:

- Passagens aéreas de ida e volta, com taxas de embarque incluídas
- Translado aeroporto – hotel na chegada, e hotel-aeroporto na saída
- Hospedagem com café da manhã em apartamento clássico no Kenton Palace Hotel (mais tarde conto a surpresa com o apartamento)
- City Tour com guia no dia posterior ao da chegada (também teve surpresa)
- Show de tango no Señor Tango  com jantar, bebida e translado incluídos
 
Antes de viajar organizei a casa, e deixei as recomendações para minha mãe, pois ela iria lá em casa colocar comida e trocar os potinhos de água da Lilica, e brincar um pouquinho com ela também, para não se sentir muito sozinha, afinal fazia poucos dias que havíamos perdido o Léo.
Também preparei uma lista com telefones para deixar para minha mãe, fiz um passo a passo de como fazer uma ligação para a Argentina, e para o meu celular que estaria em roaming internacional. Deixei o telefone da CVC, dos aeroportos de Florianópolis e de Buenos Aires, do hotel e do Consulado do Brasil em Buenos Aires, afinal nunca se sabe!

Deixei uma cópia das nossas carteiras de identidade, e dos cartões de crédito com ela, pois se perdessemos ou fossemos roubados, poderia ligar pra ela e pedir que ela entrasse em contato com o banco, ou com a polícia, sei lá, é melhor prevenir.
Nosso voo partia de Florianópolis dia 07, sexta-feira, às 14:33h, mas para viagem internacional todos recomendaram que estivéssemos no aeroporto com 2 horas de antecedência.
Poderíamos sair de casa nesse dia bem cedo, pois a viagem daqui a Florianópolis leva 3 ou 4 horas, mas ficamos com medo de um pneu furado, ou alguma obra na estrada nos atrasar e fazer com que perdêssemos o voo. Portanto resolvemos ir para a cidade um dia antes. Assim poderíamos fazer o trajeto até o aeroporto, verificar um estacionamento para deixar o carro, fazer o câmbio, e também evitaríamos algum incidente que nos atrasasse.

Chegamos em Florianópolis no dia 6 por volta das 11h, fomos ao aeroporto, fizemos o reconhecimento do local J e fizemos a troca do dinheiro na casa de câmbio. Procuramos um estacionamento próximo ao aeroporto e em seguida fomos para o hotel no qual faríamos esse pernoite. Tiramos a tarde pra dar uma passeada em Floripa e descansar. 
Na manhã seguinte nem saímos do hotel, re-arrumei as malas, organizei tudo, almoçamos e nem era meio dia quando saímos para o aeroporto. Pegamos um trânsito terrível, e teve momentos que pensamos que não chegaríamos a tempo no aeroporto, por causa daquelas 2h de antecedência para voo internacional.
Era quase 1 hora da tarde quando chegamos ao aeroporto, largamos o carro no estacionamento e pé na tábua. Sorte que não tinha fila nos guichês da Gol. Fizemos o check in, despachamos as malas, pegamos os bilhetes de embarque e fomos para a próxima fila. Ah! Eu perguntei pra moça se os líquidos da minha bagagem de mão poderiam passar num saquinho com zíper, ela disse que era melhor colocar naqueles outros, tipo ziplok (que é aquele “abre e fecha fácil”). Ela me deu um. Fica a dica, líquidos apenas até 100 ml por embalagem, e todos devem estar em único saquinho, eles passam separado na hora do raio-X da bagagem de mão.

Até chegar ao avião você passa por vários guichês, da cia aérea, da  policia federal, do detector de metais... e em todos eles você tem apresentar os documentos e comprovar que você é você mesma!
Depois de uma ginástica no detector de metais, tive que tirar até as botas(!), enfim estávamos na sala de embarque, e eu fui conhecer o free shop. Mas o Free Shop do aeroporto de Florianópolis é minúsculo. É uma salinha, com uns perfuminhos, bebidas e chocolates, só!
Sentamos para esperar nossa chamada, e o marido fotografando tudo.

Logo chamaram para o embarque, friozinho na barriga.
O voo partiu pontualmente no horário.


E depois de quase 2 horas estávamos aterrissando no aeroporto Ezeiza em Buenos Aires.



Desembarcamos, passamos pela imigração, pegamos a bagagem. Eu percebi que o free shop de lá era maior. Bem maior. Muito maior mesmo! Mas não quisemos nem olhar, ficamos com medo de perder o horário do pessoal da CVC que ia nos buscar.
Um casal simpático de Florianópolis foi no mesmo carro que a gente. Já estava anoitecendo quando chegamos ao hotel. Eles ficariam hospedados em outro.
Entrada do Hotel
 
Lobby do hotel (essa foto eu roubei do site deles)
 
Chegamos e o fomos muito bem recebidos. O rapaz da recepção falava português muito bem, nos explicou tudo, nos deu um mapa da cidade, mostrou onde estávamos e onde eram os principais pontos turísticos. O Kenton Palace Hotel fica no bairro de San Telmo, coladinho ao Centro de Buenos Aires 3 ou 4 quadras reto, da Plaza de Mayo e Casa Rosada e 3 ou 4 quadras do Puerto Madero.
Então veio a supresa, ele nos falou que estava na nossa reserva um apartamento Clássico (habitación clássica), a mais básica e mais barata do hotel. Porém, como o hotel é novo, (tem menos de 2 anos), e a suíte com sacada estava desocupado eles nos presenteariam com a estadia nesse apartamento.

(Marido fazendo pose no quarto, e as malas atraplhando!)
 

Caramba, que quarto bonito! Ficava no 9º andar, de frente com sacada e banheira. Imagine a nossa boca aberta quando entramos no quarto J.

 
(banheira, armário e pia, o banheiro fica do outro lado)


(vista da sacada)
 
 
O serviço do hotel foi ótimo, recomendo. Café da manhã não é muito variado, mas é bom, eu adorei. O cardápio para almoço e jantar é fraco, mas a vizinhança é cheia de restaurantes.

 
Após nos instalarmos e tomarmos banho saímos para jantar no Puerto Madero estavámos "azul de fome"! Lá tem muitos restaurantes e fica pertinho do hotel. Antes perguntei ao recepcionista se era seguro ir a pé, e ele respondeu que era totalmente seguro.
Caminhamos pelas margens do rio e escolhemos, aleatoriamente, um restaurante de comida italiana. Chamado Il Fiume (eu acho). Tivemos um pouco de dificuldade com o cardápio, e eu não tinha levado o meu dicionário de espanhol para viajantes. Então assim, meio no rumo, meio pela foto do prato fizemos nosso pedido, acompanhado de cerveja. Mas credo, (com pronúncia bem lageana) primeira noite em Buenos Aires e já vamos tomar um balaço (risos).


Marido pediu um frango recheado acompanhado de mini tomates

Eu pedi um frango ao molho de alguma coisa, acompanhado de purê de moranga.
Estava delicioso, e os pratos muito bem servidos.

Marido tremeu a foto, deve ter sido efeito da Stella!

A comida estava deliciosa.
Observação: Não ficamos bêbados! Somos fortes!
Caminhamos mais um pouco pelo Puerto e Madero e voltamos para o hotel. O passeio pela cidade, city tour, estava marcado para o dia seguinte, as 9h da manhã.

Postar um comentário