21 de janeiro de 2010

Na casa de colono tem...

Recebi esse texto por e-mail, não foi citado a fonte nem o autor mas eu adorei... é muito engraçado e é exatamente a realidade, já vi e vivi muito do que está aí.
Quero comentar algumas frases desse texto, mas farei numa próxima oportunidade, porque tem alguém me "xaropeando" aqui, pra eu ir jantar.

NA CASA DO COLONO TEM:

Ø tem cortina ao invés de porta;
Ø tem um pijáme bom pra no causo de baxá hospital e uma ropa bonita pra ir na missa
Ø tem umas perna de salame dependurado no poron..
Ø filho de colono tem sempre o nome importado tipo: Vádson, Adnosvaldo ou simplismente o apelido de Nêne.
Ø tem o calendário 'Santo Antônio' na parede da sala;
Ø tem sempre um pé de gavirova,na frente da casa, pena que é tudo bichada, mais o dono sempre come. Diz que o que não mata ingorda.
Ø tem uma mesa comprida, com gaveta e o baralho ensebado drento;
Ø tem o canivete em forma de foice pro fumo;
Ø tem umas lata no alto do balcão da cozinha com farinha, arroiz, erva, açucre... aquelas que os nêne sentam em cima pra fica no tamanho da mesa;
* tem roupa secando no tampo e nos ferrinho do fogão à lenha, aceso o ano intero e com a chalera que nunca sai de cima;
Ø tem no porão um saco de ráfia pendurado, com um monte de otros saco de ráfia drento;
Ø tem patente ou tem banheiro, mas é do lado de fora;
* na patente tem sabugo,revista velha ou jornal no lugar do papel higiênico;
Ø tem os remédio pra berne e sarna dos bicho em cima da geladera;
Ø tem uns pé de bergamota, lima ou laranja do céu do lado da casa, onde q os cusco ficam deitado o dia inteiro!!!
Ø tem umas par de garrafa de refri 2L com vinho ou cachaça drento, umas de butiá, otras de mato q faz bem pros rim;
Ø tem a varinha atrás da porta pra tocá os gato pra fora;
Ø tem telefone com antena externa e uma bateria de caminhão;
Ø tem um sabugo de milho enrolado com um pano pra tranca a água do tanque;
Ø tem compota e as chimia de tudo os tipo em cima do balcão;
Ø tem meia dúzia de galinha ponhedera solta no pátio que vão virar brodo qualquer dia;
Ø tem as toalhas de mesa floreadas pra usar quando vem os parente ou as visita;
Ø tem aquele fusca 75 estacionado na garagem;
Ø tem casca de laranja pendurada atrás do fogão a lenha pra faze cha;
Ø tem pedaço de xinela havaiana pra fazer a porta para de bater;
Ø tem batata doce e amendoim assando no fogão a lenha;
Ø tem pôster do Grêmio ou do Inter campeão. Bemmmm de antigamente.
Ø tem ratoeira armada em tudos cantos da casa;
Ø tem o tanque de concreto que os nêne toma banho nos dia quente com a água que a nona lavo a ropa, com o sabão de soda, claro;
Ø tem umas vaca de leite que vão carniá qdo fica gorda;
Ø tem os taro de leite tudo batido de caí de cima do toco da estrevaria;
Ø tem o quadro dos bisa, quando eram novo, na parede da sala;
Ø tem o espelhinho laranja no banheiro e o estrado de madeira pra tomá banho, onde que cai o sabão e você não consegue pegar;
Ø tem aquelas flor de plástico que põe água com acucre pro beija-flor i toma;
Ø tem o loro falando com a nona e que reza o pai nosso intero, de cor e salteado;
Ø tem, pão sovado, salame, chimia e sagu pra comer, sempre
Ø tem toalha de crochê enfeitando a mesa da cozinha;
Ø tem uma vassoura de galho pra varrer o pátio, escorada numa árvore;
* tem um guaipeca bernento chamado toque, no terrero da casa acuando pros carro que passa na estrada;
* tem a foto do papa, , na parede. tirada da revista Manchete de 1981.
Ø na roça tem sempre a pessoa que quando da uma trovejada de chuva, a pessoa diz que São Pedro ta jogando boliche no céu.
Ø os moveis são azul, vermelho ou bege;
Ø as paredes da casa são pintadas com cal misturado com alguma cor bonita como rosa, azulzinho fraca etc...
Ø tem os queijo secando na tábua pregada do lado de fora da janela ...
Ø só tem chave na porta da frente,a outra é com tramela, pq na colonia se vive assim, esse jeito simples e coração grande....

Só sabe o que é isso, quem já conviveu assim, é quem sabe respeitar e dar valor aos queridos colonos, que vivem do suor sem muita bonificação;
Que vivem na ingenuidade de nao precisar ficar trancados em casa, pelo fato da violencia e bandidismo que temos a nos rodear na cidade.

Infância de quem cresceu na roça ninguém tem igual... Porque lá, se vive e aprende coisas que jamais se esquecem; e não simplesmente deixa-se a vida passar por frente dos olhos.
Postar um comentário